Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ri-te Rita

que a vida não rima

Ri-te Rita

que a vida não rima

Sacrifícios

Hoje ao vir trabalhar ouvi na radio que, segundo os resultados de um inquérito à população portuguesa, embora as pessoas estejam preocupadas com o futuro do planeta e das gerações futuras, quando confrontadas com escolhas na sua vida prática não estão dispostas a fazer sacrifícios (leia-se, não estão dispostas a alterar a sua vidinha, que fazer sacrifícios é coisa maior) em função da melhoria da vida de todos. No telemóvel só vejo notícias de cientistas preocupadíssimos com o aquecimento global, não sei se é o meu telemóvel que só me mostra notícias relacionadas com o ambiente porque é um tema que me interessa, ou se a maioria das pessoas não liga à comunidade científica, mas o que mais vejo é inação, dos indivíduos e dos colectivos. Eu ando a tentar reduzir, ando a falar com os outros dando-lhes sugestões e politicamente ando o mais verde possível. Mas isto às vezes parece meia dúzia de gente a tentar mover uma montanha onde estão sentados milhões de pessoas. Será uma tarefa impossível até que essas pessoas se levantem e saiam de cima da montanha (mesmo assim vai ser difícil!). Tenho ido profissionalmente a algumas conferências onde se tem abordado o assunto e para meu espanto os técnicos e decisores já aceitaram muitas das consequências e estão a preparar o território, as construções e as leis para o que aí vem de fogos, inundações e escassez de água, enquanto no planeta continua a aumentar o efeito estufa sem diminuição à vista. Tudo isto me parece um pouco esquizofrénico! A humanidade já passou por alguns episódios psicóticos, resta saber se vai sobreviver ao que se está a aproximar.

No outro dia fui a uma consulta porque estava com um problema de estômago, mal acabei de falar o médico começou a receitar-me uns comprimidos. Eu perguntei-lhe se não havia maneira de resolver a questão sem recurso a drogas. O médico parou de escrever, pediu-me desculpa e disse que já estava demasiado habituado às pessoas quererem apenas remédios que resolvessem o problema sem alterar os seus hábitos. Receitou-me uma dieta e agora estou melhor. Sei que os remédios nos salvam a vida (já salvaram a minha) mas não são inócuos, têm efeitos secundários (razão para alguns dos meus problemas) e o seu uso deve ser bem pensado e quando possível evitado. O mesmo raciocínio se aplica ao efeitos que a nossa vida tem no ambiente e no planeta.

1 fala

conversar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

foto do autor

arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D