Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ri-te Rita

que a vida não rima

Ri-te Rita

que a vida não rima

Moral e ética

É difícil perceber o que é certo e errado hoje e aqui e o que continuará a ser certo e errado amanhã e acolá.

Penso nisto a propósito do Rui Pinto.

Que direito tinha o Rui Pinto de invadir a privacidade de outros? Nenhum? A vontade de um indivíduo de conhecer a verdade por detrás da evidente mentira justifica esse direito? E um investigador da polícia? Que direito tem de invadir a privacidade de outros? Todo? A vontade de um indivíduo de conhecer a verdade por detrás da evidente mentira justifica esse direito? Qual a diferença entre os dois indivíduos? A profissão? O título? Se a mentira era evidente e danosa e o propósito é a sua exposição porque não admitimos que um o faça e pagamos ao outro para o fazer? Porque privilegiamos a moral à ética?

E a propósito de Isabel dos Santos.

Que direito tinha a Isabel de ser rica à custa do seu país? Nenhum? Sendo filha do homem que governou Angola por décadas não tem direito a usufruir das riquezas do país como sendo sua herança? E um príncipe árabe? Que direito tem de ser rico à custa do seu país? Todo? Sendo filho do homem que governa não tem direito a usufruir das riquezas do país como sendo sua herança? Qual a diferença entre os dois? O regime do país? A queda do rei? Se o dinheiro é todo ele gerado pelo país e ursurpado pelo indivíduo porque consideramos que um é sujo e o outro apetecível? Porque privilegiamos a moral à ética?

Ou porque nos convém?

3 falas

  • Imagem de perfil

    Rita 31.01.2020

    Olá Sarin, sim, a confusão é grande! Sempre foi e sempre será! A gente chega a um ponto na vida em que o mais lúcido que se tem a fazer é aceitar que somos confusos. Agora, permite-me também confundir-me com ética da constituição e do aval da justiça. Bjs
  • Imagem de perfil

    Sarin 31.01.2020

    Não tens de me pedir permissão nem para te confundires nem para te esclareceres, quando muito terias para me pedires esclarecimento caso não tivesse sido clara no que escrevi.

    Que quem executa a Justiça possa ser questionável, não discuto - mas não duvido nem coloco em causa a necessidade de autorização para invadir a privacidade de terceiros. Até dos criminosos, pois é esta diferença entre legalidade e "justiça popular" o que define um Estado de Direito - e eu gosto de viver num Estado de Direito, mesmo que, e repito, quem o exerça tantas vezes se deixe enredar em interesses que não os da Justiça.

    Sobre a Constituição, é a que temos. E até ser alterada, continua a ser a que temos de cumprir. Ou incumprir, num acto de desobediência civil - também ele ético. O que não podemos é, perante a mesma situação, umas vezes dizer sim e outras não. Isso, além de imoral e anti-ético, é inestético. Ou patético.
  • conversar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    foto do autor

    arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D