Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ri-te Rita

que a vida não rima

Ri-te Rita

que a vida não rima

Opinião

Eu tenho opinião sobre tudo! (bem...quase tudo...)

Ainda não percebi bem se somos todos assim e simplesmente não partilhamos a opinião ou se parte de nós não se interessa em ter opinião. Não estou com isto a dizer bem nem mal, simplesmente ando a pensar sobre o assunto porque ando-me a treinar para não exprimir opinião sobre tudo. E como consequência, ando a pensar se exprimir opiniões é uma qualidade ou um defeito. Claro que nem tanto ao mar, nem tanto à terra, e isto e aquilo sobre a relevância da coisa, sobre as novas formas de comunicar e blábláblá e blébléblé. A questão é se vale a pena escrever este texto, se vale a pena tentar impôr a nossa opinião numa conversa de amigos, se vale o tempo que se perde ter e dar uma opinião não solicitada. É que às vezes não. Até porque às vezes corre-se o risco de pensar que dar uma opinião já é fazer alguma coisa quando depois se faz tão pouco. Importante é dar o exemplo, mas a educação das sociedades é como a vida de um carvalho, podes plantá-lo hoje mas nunca o vais conhecer como adulto. Não que isso me tenha impedido de os plantar, mas é muito mais difícil colher os frutos de um exemplo do que de uma opinião. Talvez opiniões sejam como eucaliptos, plantam-se hoje, crescem rápido e faz-se deles papel quando ainda não são mais que bebés, às vezes papel para livros, outras papel que nos limpa o rabo. Porque de eucaliptos adultos já não se faz papel, são árvores monstruosas, super resistentes, às quais o fogo não pega. Talvez tudo o que se precise é de tempo nesta vida, tempo para crescer, quer em exemplos quer em opiniões, e o que me custe não seja a minha necessidade de dar opiniões sobre tudo, mas o pouco tempo que eu tenho para elas.

Abertura das escolas

Primeiro vou agradecer.

Este ano tem sido um ano de excepção. De medo, de adaptação e de constantes alterações. Não tem sido fácil para as escolas. Tenho dois filhos em duas escolas diferentes, e embora uma possa estar a reagir melhor que a outra a esta pandemia, sinto em ambas um esforço por parte de todos os professores, funcionários e directores para fazer o melhor possível pelos alunos e famílias. Os miúdos precisam de voltar à escola e pelas medidas implementadas sinto que estarão em segurança. Pode ser que a escola abra e depois feche e depois volte a abrir e depois a fechar. Esperemos que não, mas já mentalizei os meus filhos para isso. Mais vale aceitar com normalidade o que aí vem e tentar fazer o melhor possível em cada ocasião. Por isso obrigada às escolas!

Depois vou criticar algo que nada tem a ver com pandemias.

Quando eu era miúda as consultas no hospital não tinham hora marcada. As pessoas das aldeias saiam de casa ainda de noite para chegar ao hospital ao nascer do sol e marcar vez para a sua consulta de oftalmologia ou cardiologia ou outra qualquer. Era uma incompetência gritante dos serviços e uma estupidez pegada. Quando o referia diziam-me que não podia ser de outra maneira, que os médicos não podiam perder tempo entre consultas, e que o ministério isto e aquilo e blábláblá. A verdade era que os senhores doutores queriam despachar as consultas o mais cedo possível para depois irem para os seus consultórios particulares onde as consultas tinham hora marcada. Digo-o eu que sou filha de médico.

Mais tarde entrei na faculdade e no meu primeiro ano havia uma tradição chamada "noite de escolha de horários". Havia turmas com bons horários e outras com maus horários, e os caloiros passavam uma noite em claro a marcar vez para escolherem o melhor. Claro que passar a noite em claro era uma tradição da caloirada, mas porque raio havia bons e maus horários e não todos os horários serem assim-assim. Era para nenhum professor perder tempo? Era por causa do ministério? Ou era estupidez pegada?

Bom, voltando ao presente. Porque raio os alunos só sabem o seu horário no primeiro dia de aulas? Causa uma enorme instabilidade às famílias que têm de gerir as idas e vindas das crianças, de organizar ATL's, desportos, músicas, etc, tudo em cima do joelho...Que custa publicar os horários antes das férias, ou pelo menos no início do mês? Não sabem depois das matrículas quantas turmas a escola terá?Mesmo que o nº de alunos por turma venha a sofrer algum ajuste não há informação suficiente nessa altura para publicar as turmas e os horários que em algumas escolas até são os mesmos a cada ano? Qual é o problema? É por conveniência dos professores? É por não existirem funcionários na secretaria? É por causa do ministério? Ou é estupidez pegada?

Todos ralham

Trabalho num sector que sofre de constantes alterações legislativas (eu e talvez todos nós hoje em dia). De qualquer das formas, embora na minha opinião a generalidade das alterações e as obrigações que estas impõem sejam bem pensadas e necessárias, a maioria das pessoas são críticas e não raras vezes lançam suspeitas sobre a idoneidade dos decisores.

Como uma das minhas funções é esclarecer, perco muito tempo da minha vida a explicar, a desmistificar e a fazer ver as pessoas que embora esta ou aquela possa não ser a melhor opção, as sociedades só conseguem mudar alguma coisa, mudando. Mas confesso que ando cansada. No outro dia em plena reunião, ao ver uns técnicos a dizer umas barbaridades fiquei calada. Talvez seja uma das desvantagens da videoconferência, não estamos tão dentro das reuniões e é mais fácil ficar calado.

Hoje com a abertura do ano escolar é a mesma coisa. Uns dizem que é de menos, outros que é de mais. Já estou cansada de tanto Covid. Mas lá está, só se protegem as pessoas, protegendo.

Gerações

Quando eu era rapariguinha era ingénua (graças a Deus!), e achava que estava a crescer comigo uma geração prá frentex, esclarecida, justa e sem macaquinhos no sótão. A geração dos meus pais é que era cota! Tinham crescido nos 60's, tinham libertado o país, mas ainda estavam agarrados a uma educação moralista e sexista, as mulheres apregoavam a igualdade, mas no trabalho eram todas professoras e em casa empregadas domésticas. A minha geração não! Íamos para os copos juntos, íamos às discotecas, ficávamos até de madrugada a discutir o sexo dos anjos, rapazes e raparigas a competir pelo maior murro na mesa.

A minha primeira decepção veio quando já trabalhava, ao perceber que um desses rapazes que ía para os copos comigo e dáva murros na mesa à minha beira, achava que a namorada é que devia tratar das tarefas domésticas. Outra veio quando percebi que uma amiga minha, que ía à discoteca comigo e passava as madrugadas a debater o sexo dos anjos, achava que o marido não devia se meter tanto na educação dos filhos. E por aí fora, de decepção em decepção...Agora já nem ligo ao facto de haver gente da minha geração que pensa que precisamos de voltar ao tempo da nossa senhora ou que ache que ensinar rudimentos de educação sexual na escola seja sacrilégio. O que me espanta é como não dei por eles enquanto crescia!

 

As sangrias e a covid

Não, não vou falar sobre bebidas alcoólicas, embora sangria seja bebida de excelência que junta fruta fermentada a fruta por fermentar.

Ultimamente nas minhas leituras de ocasião, tenho andado a ler sobre medicina de outros tempos e as sangrias sempre foram algo que me espantou. Como puderam os homens praticar durante milénios uma cura que matava em vez de curar! É inexplicável como se acreditava que uma pessoa fragilizada se curaria ao tirarem-lhe sangue! Diria que é contra o mais básico senso comum. Não havia gente com dois dedos de testa? Talvez não, porque estudavam-se métodos, adequavam-se medidas e escreviam-se livros muito doutos sobre as benesses da coisa.

Claro que à luz da contemporaneidade julgamo-nos muito evoluídos para sangrar alguém. Mas pergunto-me muitas vezes se os atentados ao bom senso que por aí vejo na luta contra esta peste, não serão como as sangrias de outros tempos!

foto do autor

arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D