Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ri-te Rita

que a vida não rima

Ri-te Rita

que a vida não rima

Moral e ética

É difícil perceber o que é certo e errado hoje e aqui e o que continuará a ser certo e errado amanhã e acolá.

Penso nisto a propósito do Rui Pinto.

Que direito tinha o Rui Pinto de invadir a privacidade de outros? Nenhum? A vontade de um indivíduo de conhecer a verdade por detrás da evidente mentira justifica esse direito? E um investigador da polícia? Que direito tem de invadir a privacidade de outros? Todo? A vontade de um indivíduo de conhecer a verdade por detrás da evidente mentira justifica esse direito? Qual a diferença entre os dois indivíduos? A profissão? O título? Se a mentira era evidente e danosa e o propósito é a sua exposição porque não admitimos que um o faça e pagamos ao outro para o fazer? Porque privilegiamos a moral à ética?

E a propósito de Isabel dos Santos.

Que direito tinha a Isabel de ser rica à custa do seu país? Nenhum? Sendo filha do homem que governou Angola por décadas não tem direito a usufruir das riquezas do país como sendo sua herança? E um príncipe árabe? Que direito tem de ser rico à custa do seu país? Todo? Sendo filho do homem que governa não tem direito a usufruir das riquezas do país como sendo sua herança? Qual a diferença entre os dois? O regime do país? A queda do rei? Se o dinheiro é todo ele gerado pelo país e ursurpado pelo indivíduo porque consideramos que um é sujo e o outro apetecível? Porque privilegiamos a moral à ética?

Ou porque nos convém?

Reuniões

Estive há uns dias numa reunião de antigos amigos. Hoje como ontem vi gente aos murmúrios e sorrisinhos privados. Antes imaginava o que estariam a coscuvilhar com tanto interesse e se seria sobre mim. Hoje não estou para palermices e imagino-os em provocações eróticas!

Tolarias minhas

Subir sempre as escadas de minha casa a correr para ver se ainda tenho pernas;

Andar pelos passeios a pular nas pedras de lancil para ver se me confundem com uma criança;

Não utilizar os favoritos no computador para ver se ainda tenho memória;

Não me segurar aos corrimãos nas travagens do metro para ver se ainda tenho equilíbrio;

Ficar a olhar para o telemóvel enquanto ele carrega para ver se ainda tenho paciência!

 

Há quase um ano não escrevo

Não tenho por hábito transcrever para este espaço textos de autores. Mais do que o desábito, é coisa que não gosto. Mas gosto muito deste poema de Fernando Pessoa, e nos últimos anos vem-me, volta e meia, meia volta, à cabeça. Acho reconfortante achar que um poema que carpe as mágoas de se achar que antes é que achava bem, me diga mais do que a maioria dos poemas que achei dele. E tanta "acha" é devida ao frio que faz e às saudades de uma boa lareira.

 

Há quase um ano não escrevo.

Pesada, a meditação

Torna-me alguém que não devo

Interromper na atenção.

 

Tenho saudades de mim,

De quando, de alma alheada,

Eu era não ser assim,

E os versos vinham de nada.

 

Hoje penso quanto faço,

Escrevo sabendo o que digo...

Para quem desce do espaço

Este crepúsculo antigo?

 

Fernando Pessoa

foto do autor

arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D