Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ri-te Rita

que a vida não rima

Ri-te Rita

que a vida não rima

Guardar frases

Escrever é a arte de criar frases. Pastorear é a função de guardar ovelhas. Mas pode ser que escrever seja a função de guardar frases e pastorear a arte de criar ovelhas. Ou então escrever é a função de criar ovelhas e pastorear a arte de guardar frases. 

Como me sinto

Ontem perguntaram-me como me sinto. Sinto-me como um soldado numa frente de batalha, a quem o general manda avançar sem colete anti-balas. Responderam-me, se tu te sentes assim, então os profissionais de saúde! Esses são paraquedistas a saltar sobre um campo minado, com paraquedas feitos de trapos.

Vergonha de quem os lê

Gosto de ler. Livros, crónicas, artigos, opiniões, etc... Costumo ler crónicas e outras opiniões de gente de quem leio os livros. Mas às vezes, no meio de tanta crítica, tanta opinião, tanta certeza sobre o estado do mundo, tanta vergonha do vizinho do lado, pergunto-me se os escritores têm vergonha de quem os lê.

Coisas boas este fim-de-semana

Adormecer no sofá com a lareira acesa, ouvir a chuva a cair a meio da noite, dormir com o nariz enfiado no pescoço do homem, receber o beijo de um filho, aliviar as preocupações do outro, sentir que a natureza continua igual, que as folhas caem das árvores e inundam o chão, ouvir a voz de um amigo, rir com uma colega de trabalho, sentar-me com a minha mãe, compôr uma coisa velha, dormir até tarde, não cozinhar, comer um diospiro.

Yes, we can't

Descobri no outro dia que sou da geração X! Não me importo muito com o nome porque cresci a ler bandas desenhadas dos X-Men, mas o rótulo não cola. Sinto-me ainda a geração rasca, que depois esteve à rasca, mas mais do que isso sinto-me a geração americana. Da mesma forma que os meus pais viam filmes franceses e italianos ou que os meus filhos hoje veem videos de youtube japoneses e brasileiros, eu via filmes americanos (com muita pena dos meus pais, assim como hoje eu tenho muita pena dos meus filhos!).

Da América chegava música, chegavam filmes, chegavam notícias, e embora eu sempre tenha tido espírito crítico (espero eu!), a verdade é que me formei a ver os americanos a salvar o dia e a força de vontade, inteligência e trabalho de uns poucos bastar para resolver os problemas do mundo. A minha americanice era tão grande que quando era criança pensava que os EUA tinham ganho a guerra do Vietname! Claro que a doença já foi curada há muito. Hoje em dia não espero nada dos americanos, nem descernimento nem empatia, mas ficou-me aquela sensação de que chegado um grupo de aliens ao planeta, os homens iam se unir, os políticos, os militares, os cientistas, e a população em geral iam estar todos a caminhar para o mesmo lado e salvar a humanidade.

Bem, a verdade é que perante uma pandemia global não estava à espera que o que mais relevante viesse ao de cima fosse o egoísmo das pessoas, a burocracia dos serviços e a atrapalhação de quem nos governa. Resumindo, acho comprei o bilhete de cinema errado.

Máscaras e testes

No início desta pandemia em vez de dizerem à população que a máscara era essencial para controlar a propagação do vírus disseram que era uma falsa segurança e que só os profissionais de saúde as deveriam usar. A razão é que havia poucas máscaras. A solução era dizer às pessoas a verdade e pedir para usar o que tivessem à mão. Mas como gostam de nos fazer de parvos recomendaram o que não devia ter sido recomendado e inevitavelmente aumentou o número de doentes.

Agora vêem dizer que não devemos fazer testes por iniciativa própria porque os testes são pedidos e prescritos à população sempre que necessário. Com as delegações de saúde tão assoberbadas que só conseguem notificar contactos com vários dias de atraso e com autorização para mandar testar apenas os sintomáticos, querem nos convencer que está tudo controlado e que podemos ficar descansados à espera de telefonemas que nunca chegam enquanto continuamos a nossa vida "normal" a infectar quem nos aparece pela frente. Poderiam deixar de nos fazer de parvos e dizer a verdade para variar.

 

Separar o trigo do joio

Esta pandemia tem servido para pouca coisa, mas ao menos deu para separar o trigo do joio. Quem se preocupa com os outros e quem se preocupa apenas consigo, quer sejam familiares, amigos, colegas, patrões ou políticos. E infelizmente tenho a dizer que a desilusão tem sido uma constante.

Valem-me alguns sensatos aqui e ali e gente com vontade de ajudar que rema contra a maré.

Staway Portugal

Quase sempre me indago se vale apena emitir opiniões quando o mundo se deixa afundar em questiúnculas! Por isso, e para não extremar posições, na maioria das vezes calo-me.

Hoje pelos visto não.

Vem isto a prepósito da app que anda na boca do mundo. No mesmo dia tive de ouvir colegas meus a dizerem que não a instalavam "porque não", porque para eles, grandes utilizadores de tudo quanto é rede social, que aceitam cookies na net como quem respira, que me criticam pela minha parca utilização das redes e por ter algumas manias na net para evitar que os meus dados e as minhas preferências alimentem os bolsos das grandes multinacionais, para essas pessoas que despreocupadamente partilham fotos, likes e que gostam que o seu GPS saiba onde vivem, onde trabalham e onde f*, que adoram que o seu smartphone saiba quando entram num restaurante ou numa loja, que partilham a sua localização com apps de fitness, apps de encontros e apps de rastreamento voluntariamente, para essa malta que vive com a cabeça enfiada num mini ecrã, o governo está a cometer sacrilégio ao tentar implementar uma app super inofensiva. Uma app que mais não faz que emitir um alerta se eventualmente tivermos estado em contacto com alguém infectado para podermos todos salvaguadar a nossa saúde individual e colectiva.

E depois, depois de aturar esta malta que nada faz e tudo critica, pasmei-me a ouvir na televisão um funcionário do SNS a dizer que a app não servia para nada, que só lhe dáva mais trabalho e lhe confundia as ideias porque não permitia obter qualquer dado sobre a situação em que a pessoa que recebeu a mensagem esteve em contacto com o infectado. E pasme-se, a apelar à sua não utilização, um recurso que embora possa não ser perfeito foi pensado para evitar a propagação da doença, desenvolvido por uma entidade credível e que pelas suas próprias palavras não põe em causa a transmissão dos nossos dados a terceiros.

Bem, entendam-se! E depois instalem a app, sff...

foto do autor

arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D